ITOps

Observability vs. monitoring: qual é a diferença?

Observability vs. monitoring: qual é a diferença?

Observability vs. monitoring: afinal, há diferença? Para muitos, não. Observability apenas é a mais nova buzzword que substitui o velho conhecido conceito de monitoring.

A origem do novo termo estaria na relevância ganhada pelo monitoring nas organizações. A disciplina mudou e evoluiu muito, tanto em termos de ferramentas quanto de táticas, a fim de atender às novas necessidades das infraestruturas e aplicações modernas. Ao mesmo tempo que ganharam muita complexidade e ficaram distribuídas, elas precisam monitorar camadas mais altas de seu stack e mais profundas de seus sistemas.

De certa forma há alguma razão nesse pensamento que conclui pela convergência. Novos termos surgem a todo momento na TI e acompanhar esse movimento em tempo real pode distrair as organizações de seus objetivos.

Mas o conceito de observability você deve levar a sério. Não porque nós estamos falando, mas porque ele veio para ficar – e já está produzindo benefícios e resultados para os pioneiros

E não em substituição ao monitoring. Ambos se relacionam intimamente. Mas, fato é que há, sim, diferença entre observability e monitoring, apesar de uma depender do outra.

Qual seria essa diferença? Vamos à resposta! Vamos a uma definição básica de cada disciplina, para depois diferenciá-las.

 

O que é monitoring?

Monitoring é o acompanhamento das camadas de um ecossistema de TI à medida que elas rodam em tempo real, fundamental para identificar incidentes e atender aos SLAs esperados.

Não há uma lista estandardizada de tipos de monitoring, mas ela geralmente inclui:

  • disponibilidade;
  • performance;
  • APM;
  • API management;
  • comportamento do usuário real; e
  • segurança.

 

O monitoring evoluiu muito nos últimos anos. Hoje ele envolve uma série de ferramentas, que englobam desde verificações básicas a avançadas, tanto em ambientes on-premise quanto baseados em cloud.

Dentro das organizações, as abordagens em monitoring também variam muito. De maneira geral, elas envolvem um conjunto de ferramentas de observação, de análise e de ação.

Um monitoring consistente aumenta a proatividade das equipes, diminui o tempo de identificação e de resposta a incidentes, facilita a automação de tarefas e é fonte de oportunidades de melhoria. Isso produz satisfação para os clientes e insights valiosos para as equipes de negócio.

 

O que é observability?

A definição de observability é a capacidade de inferir o estado de um ecossistema de ponta a ponta pelos seus outputs, ou seja, de responder qualquer questão sobre seu negócio, aplicações ou infraestrutura a qualquer momento, não importa quão complexos eles sejam. 

Em outros termos, ela é um monitoring panorâmico, que abrange ambientes on-premise, híbridos e multicloud, aproveitando todos os dados dessas fontes em qualquer escala.

Com isso, ela facilita a coleta de insights, a resposta a incidentes, o desenvolvimento e a inteligência da operação.

A observability é baseada em três tipos de dados telemétricos: metrics, logs e traces. Juntos, eles são enviados pelas aplicações para um sistema de análise, onde são analisados e contextualizados, gerando insights. Há vários desafios técnicos envolvidos nessa tarefa, que requer a eliminação de silos de dados, a geração de correlações automáticas e a capacidade preditiva. 

Para lidar com o volume, a velocidade e variedade de dados, IA e ML cumprem um papel essencial, junto com outras ferramentas de monitoring. A OpenTelemetry é outra grande promessa que já vem rendendo frutos.

 

Monitoring vs. observability: as diferenças

A observability vai além do monitoring (mesmo que de infraestruturas complexas), ou melhor é uma evolução do monitoramento no contexto das infraestruturas modernas.

Nas aplicações modernas, com muitos serviços sendo usados para fornecer a experiência do usuário, você não monitora mais a saúde dos serviços individuais porque ele é responsável pela maior parte da experiência do usuário. 

Nesse cenário, importa mais que o usuário possa fazer o que ele precisa do que se uma instância de um serviço tem um problema. Para isso, você precisa estar atento ao sistema como um todo e à experiência do usuário, não apenas a cada componente dela. Nesse sentido, a Splunk compara a observability não ao microscópio, e sim à claridade que permite ver sob o microscópio.

A observability tem a ver com a construção de visibilidade de todas as camada de negócio, dando a quem está nessas áreas maiores insights sobre problemas e user experience. Com isso, ela leva à criação de iniciativas estratégicas, além da mera resolução de incidentes.

A Splunk considera a observability uma condição para o sucesso da SRE – reliability engineering e do DevOps, além de importante insumo para equipes de desenvolvimento. O monitoring é algo necessário, mas não suficiente para criar a observability. Isso porque não há ferramenta única que entregue observability como resultado. 

No entanto, o mindset da observability requer maturidade em monitoring. 

Monitoring Observability
Indica se o sistema está funcionando Permite que se identifique por que o sistema não está funcionando
A coleta de métricas e logs de um sistema Os insights obtidos desses dados
Centrado em incidentes Visibilidade sobre o comportamento geral de um sistema
É algo que você faz (como) É algo que você tem (processo)
É de fora para dentro dos sistema (o sistema é monitorado) É de dentro para fora (o sistema é observável por si mesmo)

Fonte: Splunk

 

Do monitoring à observability: uma jornada evolutiva

Como vimos, a observability é um passo além em monitoring. Enquanto o monitoring vai no detalhe, a observability é a foto panorâmica. Seus objetivos, portanto, são mais audaciosos.

No entanto, chegar à observability requer consistência em monitoring. Não à toa falamos que é ele que ajuda a organização a desenvolver um mindset de observability.

Na Datarunk, ajudamos as organizações de duas maneiras:

  • a irem de uma abordagem básica a uma abordagem robusta e consistente em monitoring e posteriormente
  • a construir um mindset e uma abordagem de observability.

 

Em que estágio você está? Fale conosco para conhecer nossas experiências. 

Explore conteúdos relacionados:

ITOps

SOC as a service: como funciona esse modelo de terceirização?

ITOps

OpenTelemetry: 5 pontos a considerar ao adotá-la